SOLENIDADE DA IMACULADA CONCEIÇÃO DE NOSSA SENHORA (08/12)



UM MUNDO SEM MANCHA É POSSÍVEL?
“Celebremos a Imaculada Conceição de Maria. Adoremos o seu Filho Jesus Cristo, o Senhor”

Por ocasião do dia 8 de dezembro, a Igreja celebra a Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora. O Papa Pio IX, sob a Bula Inefabilis Deus, em 1854, proclamou o Dogma para o mundo com as seguintes palavras:

A doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante da sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha de pecado original, essa doutrina foi revelada por Deus, e por isto deve ser crida firme e inviolavelmente por todos os fiéis.”

Antes de Pio XI, a Igreja já via com muita simpatia e respeito essa verdade de fé, favorecendo o culto à Imaculada Conceição equiparando essa festa à Natividade de Maria, dada a sua grande importância.
A solenidade da Imaculada Conceição nos abre caminhos para enxergar Maria à luz dos acontecimentos bíblicos, fazendo assim uma estreita ligação com a sua pessoa. Na arca de Noé cf. Gn 6-9) que, construída sob a ordem de Deus, foi preservada do naufrágio comum; a escada de Jacó por onde os anjos subiam de desciam tendo acesso ao Senhor; na sarça ardente (cf. Ex 3,2) que, embora em chamas, não se consumia, mas continuava verde e florida; no jardim fechado onde ninguém tinha sido sepultado (Jo. 19,41) e que não devia ser violado. Estas e outras figuras bíblicas fundamentam o sentido da proclamação de Maria como Imaculada. Ela é, na linguagem dos profetas como uma “pomba pura” (cf. Os 7,11), uma “Jerusalém celeste” (cf. Ap. 21,12), o “trono excelso de Deus” (cf. Ap. 4), a “arca santificada”. Ela é vista como a nova Eva pois, assim como a antiga Eva escutou a serpente e decaiu da inocência original tornando-se escrava da serpente, a Virgem, longe de prestar escutar a serpente, quebrou-lhe completamente a violência e o poder.
Assim nos diz ainda a Igreja: “Convinha que o Unigênito, assim como teve nos céus um Pai exaltado pelos Serafins como três vezes santo, assim também tivesse na terra uma Mãe à qual nunca faltasse o esplendor da santidade.” Por isso ela é Imaculada, em tudo e por tudo Imaculada; inocente, antes espelho de inocência; ilibada, e ilibada em todos os sentidos; santa e longíssima de toda mancha de pecado; toda pura e toda intacta, antes o exemplar da pureza e da inocência; mais bela do que a beleza, mais graciosa do que a graça, mais santa do que a santidade; a única santa, a puríssima de alma e de corpo, que ultrapassou toda integridade e toda virgindade; a única que se tornou sede de todas as graças do Espírito Santo; tão alta que, inferior só a Deus, foi superior a todos; por natureza, mais bela, mais graciosa e mais santa que os próprios Querubins e Serafins e do que todas as falanges dos Anjos; superior a todos os louvores do céu e da terra.”
A Igreja exulta em festa pela Imaculada Conceição. Porém, cabe-nos também olhar qual o sentido atual dessa grande festa nossos dias. O que significa nos tempos de hoje proclamar Maria como Imaculada Conceição num mundo tão manchado pelo pecado? O sonho de todo cristão deve ser ver um mundo menos ferido pelo pecado, menos marcado pelo mal que nos rodeia, mais fraterno, mais justo e mais irmão. Celebrar a Imaculada Conceição de Maria não é somente ficar na devoção piedosa e salutar ou na memória de um grande dia em meio a orações e cultos diversos. Celebrar sua festa com a Igreja vem ser também uma oportunidade de reafirmar nossos compromissos de colaborarmos com o seu Filho para que o mundo experimente cada vez menos o pecado. Onde houver um sinal de solidariedade e justiça, ali estará um sinal expressivo da possibilidade de um mundo imaculado. Este ano, celebrando esta festa dentro do tempo riquíssimo do Advento, e já em meio à novena de Natal em nossas paróquias e comunidades, firmemos este compromisso com a Imaculada Conceição de, assim como ela, nos esforçarmos para que as manchas do pecado que são tantas não reinem sobre nós e desejemos cada vez mais ser como ela. E assim cantaremos com a Igreja: Deus me criou em santidade, segurou-me pela mão e para si me escolheu.”
                                                                                                                                                 Pe. Edson Rodrigues


Paróquias da Diocese de Pesqueira que celebram a Imaculada Conceição:
* Alagoinha
* Belo Jardim
* Fazenda Nova (Brejo da Madre de Deus)
* Pedra
* Pesqueira (Convento)
* Sertânia



Nenhum comentário:

Postar um comentário