MULTIDÃO CELEBRA SANTA ÁGUEDA, PADROEIRA DE PESQUEIRA




Pesqueira, terra da graça e da fé


Indescritíveis os momentos vividos ontem (05/02), na Praça Dom José Lopes em Pesqueira no encerramento da Festa de Santa Águeda. Cerca de 15 mil pessoas tomaram conta da Praça da Catedral para a missa de encerramento das festividades. Depois de um belo novenário celebrado por vários padres da Diocese a cada noite, sempre coordenado pelo Pe. Marconni Barbosa, Pároco, e membros do Conselho Paroquial e Equipe de Liturgia, a festa chegou ao seu ápice neste domingo.
          Já pela manhã, às 10 horas, foi celebrada a Missa Solene da festa pelo Bispo de Caruaru, Dom Bernardino Marchió. À tarde, a partir das 16 horas, vários sacerdotes, religiosas, seminaristas e o povo católico de Pesqueira se encontraram para a concelebração de encerramento. O Pe. Adilson Simões, Administrador Diocesano, presidiu a missa participada por milhares de fieis. Após a Missa, segui-se a procissão com a imagem de Santa Águeda e a relíquia histórica da santa com um fragmento do osso da virgem e mártir padroeira de Pesqueira. O povo tomou conta das ruas da cidade, numa manifestação de fé e devoção popular de rara beleza.
          Na volta da procissão, houve a Bênção do Santíssimo Sacramento presidida pelo Pe. Adilson Simões, seguindo-se da confraternização do povo com quermesse e bingo na praça.

             Confira abaixo algumas imagens que nos dão uma ideia da dimensão da festa de ontem. As fotos são de Sérgio Galindo do "Pesqueira em foco".








Santa Águeda celebrada também em Catânia (Itália)

          Na festa de Santa Águeda, o cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado do Vaticano, celebrou a solenidade pontifical na catedral de Catânia (Itália), lotada de fiéis, e recordou que os santos não são apenas pessoas a ser veneradas, mas modelos a serem imitados. 
          “A figura e a história da jovem Águeda foi apresentada para o mundo de hoje, especialmente no contexto do diálogo com os jovens que estão em busca de um ideal e de pontos firmes de referência. 
          A emergência educacional, que orienta o ministério pastoral da Igreja italiana, foi recordada na referência à exemplaridade de Águeda, mártir e testemunha do Evangelho e da fidelidade a Cristo. 
          O mal que corrompe a juventude de hoje é o niilismo, disse Bertone, e a resposta que os educadores de adultos deverão dar a ele é uma clara referência aos valores. 
          A jovem Águeda, que traz no próprio nome uma mensagem de bondade, incorporou os sinais da vida evangélica e se tornou uma testemunha e uma educadora. Educar para a vida santa do Evangelho, tema do programa pastoral do episcopado italiano para este ano, encontra um modelo crível e concreto em Santa Águeda.” 
          O apelo do Secretário de Estado para “que a família recupere o seu papel na educação e para que todas as instituições formativas, da escola às associações, orientem os jovens na busca dos valores fundamentais, ressoou forte e poderoso na Igreja de Catânia e em toda a sociedade. 
          A verdadeira crise não é econômica, mas educativa, e precisa de professores exemplares e de ​​ambientes saudáveis de aprendizagem. A escolha pedagógica de Dom Bosco, que educava também através do esporte, requer novas formas de presença na educação dos jovens para fazer deles "bons cristãos e honestos cidadãos". 
          “A escolha livre e madura da virgindade por Cristo, amadurecida na escuta da sua Palavra, no diálogo da oração e no encontro eucarístico”, constituem ações concretas, inspiradas no testemunho de Santa Águeda, destacou Dom Giuseppe Sciacca, secretário-geral do Governatorato da Cidade do Vaticano, também presente, como bispo nascido na Sicília, na celebração solene da padroeira de Catânia. 
          A lição de castidade e de pureza, disse Sciacca, nos lembra a "primazia da dignidade humana em suas exigências inalienáveis ​​e invioláveis ​​da liberdade, a partir da liberdade primária: a religiosa. Numa cultura que vende o corpo, não hesitando em torná-lo objeto de torpe escambo, de perversão e de detestável ofensa; em uma sociedade que perdeu o senso do pecado e que, na esteira do relativismo desenfreado, considera lícito tudo o que dá prazer, a virgem Águeda se mostra um modelo de coragem que se alimenta de renúncia, de mortificação e de sacrifício. O respeito da corporalidade própria e alheia, transformada pelo batismo em templo da presença de Deus, exige novas formas de relações, novos estilos de comunicação, um novo alfabeto, capaz de expressar a dignidade da mulher, muitas vezes reduzida a mercadoria de consumo. 
          A poderosa intercessão da mártir Águeda, milagrosamente curada pelo apóstolo Pedro após o corte da mama, se estenda sobre toda a Igreja e, de Catânia, espalhe a lição de Águeda, que tornou-se com o martírio um presente para a comunidade e uma mestra da fé, prosseguiu o bispo.” 
          A devoção a Santa Águeda é ensinada em Catânia desde a infância dos habitantes, e, com especial atenção, o cardeal Bertone abençoou os muitos filhos de Catânia que usam o hábito dos devotos da santa, como numa especial apresentação no templo e um ritual de consagração a ela, que os pais fazem com devoção e com responsabilidade educacional. “Educar na fé, que se manifesta através da devoção à mártir Águeda, é um compromisso dos pais e uma prática de preparação para o ano da fé, que merece especial atenção pastoral.” 
         Apesar do mau tempo, a solenidade permitiu que muitos fiéis se encontrassem com o rosto doce e bom da virgem Águeda. Junto com o relicário que percorreu as ruas da cidade, a santa padroeira espalhou bênçãos e sinais de positiva religiosidade no coração das pessoas que gritavam “Viva Santa Águeda!”. No final da festa, o relicário foi reservado na capela. Permanece forte no coração do povo de Catânia o desejo da próxima festa, para poderem reencontrar a “santuzza” de “boca que parece rosa e de olhos que brilham como duas estrelas”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário